Uma ferramenta computacional para subsidiar o professor inserto no ensino mediado por computador

sistemas destinados ao EMC. Este modelo adaptável, desenvolvido com técnicas de IA, teorias da Educação e da Psicologia Cognitiva, viabiliza a construção de currículos para EMC, respeitando os aspectos pedagógicos e didáticos inerentes a nova mídia. O interessante é que, o educador, mesmo desconhecendo ou não querendo, estará sendo orientado pelos princípios (pedagógicos e didáticos), pois eles são intrínsecos ao modelo. A junção de diversas técnicas de IA (frames, PLN, RBC, blackboard e agentes, dentre outras), possibilitou que se alcançasse um ambiente amigável, capaz de auxiliar (muitas vezes de forma não transparente para o usuário) o educador em seu planejamento educacional. Futuros trabalhos que agregam o uso de processamento de linguagem natural para auxiliar uma avaliação descritiva final estão sendo testados atualmente. 1. Briggs, L. J.: Manual de Planejamento de Ensino. Cultrix/MEC, São Paulo (1976). 2. Cunningham, D. J., Duffy, T. M., Knuth, R. A.: The Textbook of the Future. In: McKnight, C., Dillon, A., Richardson, J. (eds).: Hypertext: a Psychological Perspective. Ellis Horwood, New York (1993). 3. Decker, K. S.: Distributed problem-solving techniques: a survey. IEEE Transactions on Systems, Man and Cybernetics. Vol. SMC-17, No. 5. September/October (1987) 729-740. 4. Duffy, T. M., Jonassen, D. H.: Constructivism: New Implications for Instructional Technology. In: Duffy, T. M., Jonassen, D. H.: Constructivism and the Technology of Instruction: a Con­ versation. Lawrence Erlbaum, Hillsdale (1992). 5. Heinze-Fry, J. A., Crovello, T. J., Novak, J. D.: Integration of Ausubelian Learning Theory and Educational Computing. The American Biology Teacher, Vol. 46 (3), March (1984). 6. Libâneo, J. C.: Didática. Cortez, São Paulo (1994) 7. Moreira, M. A., Buchweiz, B.: Mapas conceituais: instrumentos didáticos, de avaliação e de análise de currículo. Moraes, São Paulo (1987) 8. Oliveira, C. A. de.: Considerações primeiras sobre o ensino de Língua Portuguesa por máquina. In. Silva, E. R. (org): Texto e ensino. Cabral, São Paulo (2002) 9 . :A interação e a interface no ensino não-presencial: algumas considerações. In.: Castro, S.T. R. (org).: Pesquisa em Lingüística Aplicada: novas contribuições. Cabral, São Paulo (2003) 10. Oliveira, M. K.: Vygotsky - Aprendizado e Desenvolvimento : um processo Sócio-histórico. Editora Scipione. São Paulo (1993). 11. Palangana, I. C.: Desenvolvimento e Aprendizagem em Piaget e Vygotsky: a Relevância do Social. Summus Editorial, São Paulo (2001). 12. Pozzebon, E., Barreto, J. M.: Ambiente de aprendizagem adaptável conforme as preferências do aprendiz. In: 3rd' International Conference on Engineering and Computer Education. São Paulo (2003) 16-19. 13. Struchiner, M., Rezende, F. Ricciardi, R. M. V., Carvalho, M. A. P.: Elementos Fundamentais para o Desenvolvimento de Ambientes Construtivistas de Aprendizagem à Distância. Tecnologia Educacional, Vol. 26 (142), Jul/Ago/Set (1998). 14. Vygotsky, L. S.: Mind in Society: The Development of Higher Psychological Process. Havard University Press, Cambridge Massachusetts (1978). Referências Bibliográficas

Made with FlippingBook flipbook maker